MARTHA PAGY ESCRITÓRIO DE ARTE
artistas exposições quem somos notícias contato múltiplos projetos

> <
  • INTIMIDADE DESCOBERTA V, 2020
    Auto ensaio poético-fotográfico
    Gravura Digital impressa em papel matt Hahnemuhle de algodão Museum Eaching 350gr
    54 x 96,8 cm - tríptico
    Edição de 5

  • Pintura Escultura I, 2016 - Série Fronteiras
    Pintura s/tiras de papel Tengusho estruturadas
    45 x 35 x 9 cm – em caixa de acrílico

  • Pintura Escultura II, 2016 - Série Fronteiras
    Pintura s/tiras de papel Tengusho estruturadas
    45 x 35 x 9 cm – em caixa de acrílico

  • RUMO INCERTO I, 2018
    objeto da série ‘Fronteiras’
    Esfera de vidro envolta por tecidos com o título bordado: ‘Rumo Incerto’ nas cores
    verde e amarelo; e bússola de navio antigo (coleção da artista)
    20 cm a esfera e 15 cm a bússola

  • RUMO INCERTO II, 2018
    objeto da série ‘Fronteiras’
    gaze de linho, acrilon e bordados com fios de cobre e de algodão
    112 x 42 x 25 cm (AxLxP)

  • QUAL O NORTE?, 2018
    objeto da série ‘Fronteiras’
    gaze de linho e bordados com fios de cobre e algodão
    45 x 24 x 15 cm (AxLxP)

  • AO LÉU I, 2018
    objeto da série ‘Fronteiras’
    esferas de isopor encapadas em tecido bordado com diferentes palavras, envoltas
    em filó branco que as amarram como se fossem balas/doces, remetendo à palavra
    bala com o sentido de projétil de arma de fogo
    38 x 25 x 12 cm (AxLxP)

  • RUMO ÀS CONQUISTAS, 2019
    Gaze de linho, aço e isopor
    49,5 x 32 x 5,5 cm

  • RUMO DOURADO, 2019
    Elipse de prata banhada a ouro e aço
    20 x 22 x 26 cm

  • Paisagem Possível III, 2018
    elipses e haste de aço inoxidável, anéis coloridos de borracha e cerâmica
    40 x 11 x 11 cm
    Edição de 10

  • Duelo in, 2019
    ímãs e placas de aço inoxidável moldadas e com cortes
    Dimensão: 10 cm de diâmetro, cada placa
    Edição 5 de 5

  • PAISAGEM POSSÍVEL V, 2016
    Instalação
    Tubos de aço inoxidável polidos
    4,0 x 3,60 x 4,0 m (AxLxP)

  • MEU MONDRIAN, 2014
    Três livros cortados, virados e presos com parafusos sobre placa de acrílico
    103 x 33 x 13 cm

  • "MEU MONDRIAN ll" , 2017
    Tira de aço inoxidável moldada e pintada
    200 x 10 cm

  • Desenho 86, série Controle, 2013
    Grafite em pó s/tiras de papel Tengusho
    50 x 40 x 5 cm

  • PAISAGEM POSSÍVEL VI, 2017
    Edição 1 a 10
    Material: Vergalhão de aço inoxidável
    Dimensão: 20 x 20 x 12 cm (AxLxP)

  • Pintura X, 2016 – Série Fronteiras
    Pintura s/tiras de papel Tengusho
    31 x 32 x 5 cm

  • Pintura XI, 2015
    Pintura s/tiras de papel Tengusho
    30,5 x 32 x 5 cm

  • Pintura XIII, 2016 – Série Fronteiras
    Pintura s/tiras de papel Tengusho
    31 x 32 x 5 cm

  • Duelo IV, 2016 – Série Fronteiras
    Aço inoxidável e ímas de neodímio
    65 x 40 x 30 cm – ED. 1/5

  • Dona do Tempo, 2011/2013
    Múltiplo interativo da Série Controle
    Caixa de Acrílico - 24 x 70 x 15
    com 6 fotos impressas em acrílico cristal
    Edição de 5 - P.A.4

Ivani Pedrosa
Vive e trabalha no Rio de Janeiro

Graduada pela Escola Nacional de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1995). Participou de um workshop internacional de arte em Londres em 1994 e nos anos de 1996 a 2007, frequentou cursos da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, Rio de Janeiro. Atualmente ministra aulas de pintura, mantém um grupo de estudos com artistas visuais e desenvolve trabalhos em fotografia colaborativa. Representada por Martha Pagy Escritório de Arte. Começou a expor seus trabalhos em 1999, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro e depois participou de coletivas pelo país, como ‘Tangências’, apresentada em 2001 no Gabinete de Arte Raquel Arnaud em São Paulo. Em 2004 fez sua primeira individual no Centro Universitário Mariantonia da Universidade do Estado de Sâo Paulo, apresentando a intervenção arquitetônica sonora ‘Espaço Amplificado III’. Constrói também Múltiplos interativos dentro de séries, como os apresentados em 2012 na individual ‘(IN)VISIBILIDADE’, no Centro Cultural Candido Mendes, Ipanema, RJ. Produz também desenhos com grafite em pó sobre papel, como os apresentados na exposição RIO na Saltfineart, Laguna Beach, Califórnia, e explora o meio fotográfico com câmeras convencionais, digitais e telefone celular. Em 2010 foi indicada ao 1º Prêmio PIPA, Prêmio IP de Arte/MAM, RJ. Outro viés do trabalho são as intervenções espaciais geralmente apresentadas na forma de Instalações Interativas e/ou Sonoras, como ‘Construtiva X’ de 2008 apresentada na exposição internacional ‘Las Americas Latinas. Las fatigas del querer’, exibida no Spazio Oberdan, Milão, Itália. Nessas instalações são abordadas questões sobre a construção e a desconstrução da imagem que cada um oferece ao outro, da espetacularização e banalização dessas imagens e do “narcisismo” criado pelo mundo contemporâneo. “O observador é requisitado em sua percepção e conduzido a interagir com a obra sem uma imposição, pela pura curiosidade que o trabalho gera ao seu mero contato” (Reynaldo Roels para a exposição no Centro Universitário Mariantonia). Em 2016 apresentou a Instalação externa da série Controle, Paisagem Possível V na exposição Marina Monumental I, RJ e na ArtRio 2017. Também em 2017 apresentou a Instalação Paisagem Possível III na Trio Bienal Tridimensional Intern’l do Rio no Jardim Botânico/RJ; ambas abordam questões a respeito da conscientização sobre a preservação da natureza. O que restará para as gerações futuras?
Em 2019 montou a individual Rumo Incerto no Escritório de Arte Martha Pagy onde apresentou trabalhos sobre anomia social. Com o olhar atento aos acontecimentos do cotidiano, sendo estes o combustível para o pensamento e realização das obras, ‘comecei a elaborar este projeto no final de 2017, no calor do momento político que o Brasil e o mundo passavam e continuam passando. Se o rumo era e é incerto e com várias opções de caminhos numa época globalizada e à deriva, a incerteza soa como uma possível abertura para mudanças’. A procura por brechas para alcançar/conquistar novos espaços de convivência, de representatividade, de fronteiras a ultrapassar ou violadas são tópicos que foram observados, como também uma vivência pessoal dramática que transforma repentinamente nosso modo de viver. O intervalo entre o incerto e a possibilidade de mudanças foram as forças que impulsionaram o pensamento para elaboração das últimas obras.
Em 2020 foi selecionada no Edital Internacional COMO SERÁ O AMANHÃ? com o auto ensaio poético-fotográfico INTIMIDADE DESCOBERTA e participou da Feira de Gravura on line Artsoul com o tríptico Intimidade Descoberta V apresentado na técnica gravura digital.