MARTHA PAGY ESCRITÓRIO DE ARTE
artistas exposições quem somos notícias contato múltiplos projetos

> <
  • Flor, 2017
    Argila branca sem esmalte, técnica de placa, queimada em alta temperatura 1260 graus.
    16,0 largura x 16,0 altura x 16,0 profundidade – caixa de acrílico

  • Fruteira Country, 2017
    Argila branca sem esmalte, técnica de placa, queimada em alta temperatura 1260 graus.
    20,0 largura x 16,0 altura x 16,0 profundidade – caixa de acrílico​

  • Pret-a-Porter, 2017
    Argila branca sem esmalte, técnica de placa, queimada em alta temperatura 1260 graus.
    14,0 largura x 10,0 altura x 14,0 profundidade – caixa de acrílico​

  • Rosinha do Agreste, 2017
    Argila creme com esmalte branco fosco, técnica de placa, queimada em alta temperatura 1260 graus.
    12,0 largura x 12,0 altura x 12,0 profundidade – em caixa de acrílico​​

  • Babados, 2016
    Técnica de placas, argila branca e esmalte transparente, apenas nos detalhes, de alta temperatura 1260 graus.
    15 x 10 x 10 cm - ​em caixa acrílico

  • Espiral, 2016
    Técnica de placas, argila branca e esmalte transparente, apenas nos detalhes, de alta temperatura 1260 graus.
    13 x 12 x 12 cm - em caixa acrílico

  • Velho Chico – Sonho e Pesadelo, 2016
    Argila creme, esmalte branco de alta temperatura, técnica de placa
    12 x 12 x 12 cm – em caixa de acrílico​

  • Olívia, 2016
    Argila branca, esmalte branco de alta temperatura, técnica de placa
    12 x 12 x 12 cm – em caixa de acrílico​

  • Matula vazia, 2016
    Técnica de placas, argila branca , sem esmalte e queimada a 1260 graus
    13 x 14 cm – em caixa de acrílico

  • Estudante, 2016
    Técnica de placas, argila branca , sem esmalte e queimada a 1260 graus
    10,5 x 10 cm – em caixa de acrílico​

  • Equilibrista, 2016
    Técnica de placas, argila creme e esmalte de alta temperatura (1260 graus)
    13 x 14 cm – em caixa de acrílico​

  • Listradinha, 2015
    Barro bege e esmalte transparente de alta temperatura
    18 x 12 x 12 cm – em caixa de acrílico

Cris Loureiro nasceu no Rio de Janeiro, estudou Design e Jornalismo na PUC.

Começou sua vida profissional desenhando joias na H Stern e depois estamparias na Company. Trabalhou em criação para indústria têxtil durante 20 anos, mas o atelier de cerâmica esteve presente durante todo esse percurso até hoje.

Em todas as peças, a técnica usada é a de placas, com argila e esmaltes de alta temperatura. Algumas, sem esmalte, vão ao forno duas vezes para escurecer ligeiramente e também com óxidos, como o ferro, cobre e manganês.

“ Ganhei a minha primeira bolsa de verniz aos 4 anos, na qual guardava um lenço, um terço, um lápis e um bloquinho de papel. Lembro da felicidade que senti quando a usei pela primeira vez. O meu trabalho é fruto dessa paixão por bolsas, malas, baús e do que eles simbolizam em nossas vidas.”
Cris Loureiro